sábado, 2 de agosto de 2014

Posted by Mulheres na ciência on 15:09 No comments


Ela foi uma cientista da computação e matemática afro-americana. Um de seus principais feitos foi desenvolver códigos e programas de computador utilizados para estudar os efeitos das fontes de energia renováveis, como a produção de energia solar e eólica.


Planos para se tornar farmacêutica

Nascida em 23 de abril de 1933, em Birmingham, Alabama. Easley e seu irmão, seis anos mais velho, foram criados por sua mãe solteira.  A partir da quinta série até o ensino médio, Annie frequentou escolas paroquiais em Birmingham, graduando-se como oradora da turma. Embora sua mãe tenha lhe dito que se ela trabalhou duro, poderia tornar-se o que queria, Easley pensava que a enfermagem e ensino eram as únicas carreiras abertas para as mulheres negras. Como ela não queria ensinar, Easley intenção de se tornar uma enfermeira. No entanto, no ensino médio, ela começou a pensar em se ser um farmacêutica.

Annie estudou farmácia por dois anos na Universidade Xavier, uma escola católica negra em Nova Orleans, Louisiana. Em 1954 ela se casou e retornou brevemente para Birmingham. Ela trabalhou como professora substituta no Condado de Jefferson, Alabama, e ajudou os negros se prepararem para os testes de alfabetização que foram obrigados a passar, a fim de registrar para votar.

Após o marido de Easley ser dispensado do serviço militar, o casal se mudou para Cleveland, Ohio, para estar perto de sua família. Annie esperou continuar a sua educação, porém, o único programa de farmácia na região havia fechado.

Contratada como “Homem-Computador”

Um dia, em 1955, Annie leu  um artigo de jornal sobre irmãs gêmeas que trabalhavam como computadores para Comitê Consultivo Nacional para a Aeronáutica (NACA), antecessor da NASA no Centro de Pesquisa Lewis, em Cleveland. O trabalho parecia tão interessante que o dia seguinte Easley candidatou a um emprego lá.

Ela trabalhou na Divisão de Serviços de Informática, na realização de cálculos matemáticos complexos para a equipe de engenharia. Entre outros projetos, ela simulou condições para um reator nuclear a ser construído em Plum Creek, Ohio. Na época Annie foi uma dos, apenas, quatro negros entre os 2.500 funcionários da agência.  Quando uma foto de Annie e seus colegas de trabalho foi ampliada para exibição em uma casa laboratório aberta, seu rosto foi cortado da imagem.

Era o amanhecer da era espacial e os Estados Unidos estava competindo com a União Soviética. Em 1957, os soviéticos lançaram o Sputnik, o primeiro satélite a orbitar a Terra, e a corrida espacial aquecido. A NACA tornou-se NASA. Com a introdução dos computadores eletrônicos, os cargos dos computadores humanos foram alterados para o matemático ou técnico de contas. Dessa forma, Annie foi buscar mais qualificação e foi transferida. 


Centauro

Durante o final dos anos 1960 e 1970 Easley trabalhou em sistemas de foguetes de propulsão nuclear. Ela também trabalhou no Centauro, um foguete de alta energia. Foi lançado primeiro e com sucesso em 1963, ao longo dos próximos 30 anos, passou por um maior desenvolvimento e foi considerado uma das maiores conquistas do Centro de Pesquisa do Lewis. 

Na década de 1960 Easley voltou a ensinar na escola, tendo uma classe de cada vez. Na década de 1970 ela começou a tomar dois, depois três classes, enquanto trabalhava em tempo integral. Perto do final, ela tirou uma licença de três meses sem remuneração para terminar, ganhando seu título de bacharel em Matemática pela Cleveland State University, em 1977. Durante parte desse período, ela trabalhou um horário flexível de seis dias. Embora a NASA pagasse aos empregados por educação relacionada ao trabalho, Annie sempre “correu atrás” e pagou por seus próprios cursos. Contudo, uma vez que ela tinha ganhado seu diploma, o Departamento de Pessoal decidiu que ela precisava de cursos mais especializados para ser considerado uma profissional. Assim ela teve uma formação adicional patrocinada pela NASA, incluindo um curso em Houston, Texas.

Durante os anos 1970 Annie trabalhou em um projeto danos examinar a camada de ozônio. Com cortes maciços no programa espacial da NASA, Easley começou a trabalhar em problemas de energia. Ela desenvolveu e implementou programas de computador para determinar o vento solar e para a resolução de problemas de monitoramento de energia e de conversão, incluindo tecnologias para a energia eólica e energia solar. Um de seus estudos envolveram a determinação da vida útil das baterias de armazenamento utilizados em veículos elétricos

Annie e Lewis (NASA)

Após a crise energética da década de 1970, Easley estudou as vantagens econômicas de usinas de co-geração que obtiveram subprodutos do carvão e do vapor. Ela também foi responsável por monitorar o uso de eletricidade em Lewis.

Easley serviu como oficial de Igualdade de Oportunidades de Emprego de Lewis, investigando queixas de discriminação. Ela viajou para faculdades e universidades para recrutamento de engenheiros para o laboratório. Além disso, Annie muitas vezes representava a NASA nas escola e faculdades.

A vida social de Easley foi centrada em Lewis. Deste modo, ela fundou e atuou como a primeira presidente da NASA Lewis Ski Club. Ela também pertencia ao clube de corrida. Fora de Lewis, Annie J. Easley foi tutora de crianças em idade escolar que abandonaram a escola para que estas retornassem ao colégio.


Annie faleceu em 25 de junho de 2011, Cleveland, Ohio, EUA.

Traduzido do Encyclopedia

0 comentários:

Postar um comentário