sábado, 28 de setembro de 2013

Posted by Mulheres na ciência on 08:07 No comments
  

Nasceu em 1882 em Erlangen, Baviera. Matemática e física teórica alemã.

Frequentou a escola Municipal Superior de Erlangen, na qual estudou vários idiomas, piano e aritmética. Seu pai Max Noether, um renomado professor de matemática e pesquisador das funções algébricas, transmitiu-lhe seu amor pela matemática.

Noether decidiu em 1900 ir para Universidade de Erlangen, porém as mulheres não eram admitidas como estudantes oficiais, por isso ela assistiu como ouvinte sem o direito de ser examinada. Sua determinação e perseverança fez com que fosse a única aluna entre quase 1000 estudantes homens.

Em 1903, quando a Universidade mudou seus estatutos, Emmy pode prestar seus exames e obteve seu doutorado em 1907 com sua tese “Sistemas completos de invariantes para as formas ternarias biquadráticas” , sob a tutoria de Paul Gordon. Trabalhou no Instituto Matemático de sua cidade natal sem nenhum salário, ajudando o seu pai e desenvolvendo suas próprias investigações.

Sua tese de doutorado foi publicada em 1918 pela revista Mathematische Annalen, e o trabalho, conhecido como “Teorema de Noether” demonstrou uma relação entre simetria entre as leis da física e a consequente lei de conservação de energia. Este trabalho ajudou a desenvolver a função matemática que levou Einsten a teoria da relatividade.

A publicação de seus trabalhos mereceu o reconhecimento de outros cientistas matemáticos, deu conferencias em Salzburgo e em Viena ensinou classes como “professora ajudante”, na Universidade de Gottingen. Realizou investigações sobre álgebra abstrata, trabalhando em teoria de grupo, teoria de anéis e teoria número. Estes conceitos definidos axiomaticamente deu o passo a álgebra moderna.

Por ser judia, intelectual e pacifista, ao chegar Hitler ao poder, ela se exilou nos finais de 1933, nos Estados Unidos, no qual foi docente Na Pennsylvania, e trabalhou no Instituto de Estudos Avançados, em Princeton, no qual se encontrava o físico alemão Albert Einsten (1879-1955), continuando com suas investigações.



Apesar dos anos em que esteve dedicada a investigação e ao reconhecimento que obteve por outros matemáticos, a vida de Emmy não foi fácil: a misoginia e a discriminação – somente por ser mulher não teve um salário digno – foi o que recebeu em troca de seus conhecimentos.

Emmy Noether morreu em 1935, aos 53 anos de idade como consequência de uma cirurgia.

Traduzido do Mujeres que Hacen la Historia

Categories: ,

0 comentários:

Postar um comentário